A Associação Casa de Brincar surgiu da necessidade vislumbrada por uma mãe, cujo filho possui TEA (Transtorno do Espectro Autista) e a equipe multidisciplinar, que o acompanhava, em auxiliar outras famílias com filhos de mesmo diagnóstico.

Inicialmente, foi criado um grupo chamado Cata Vento, que se mantém até hoje e tem como objetivo dar apoio aos familiares e amigos de pessoas autistas. Então, surgiu a necessidade de se criar uma associação para acolhimento destas famílias e que pudesse apoiá-las na inclusão social, no desenvolvimento da criança e na relação entre eles e o autismo.

Assim, a Casa de Brincar trabalha estas famílias através de oficinas, que atualmente, estão divididas em: música, teatro, integração sensorial, pensamento, movimento, culinária, caminhada, horta, atividades do cotidiano e natação. As crianças frequentam de duas a três oficinas por semana, são atendidas individualmente, com horário marcado, participação dos pais nas atividades e duração de uma hora. Para frequentar as oficinas, as crianças passam por avaliação da equipe, que as direciona, dependendo das necessidades ou habilidades a serem desenvolvidas.

A cada três meses são realizadas reavaliações onde as crianças / adolescentes podem ser realocadas entre as oficinas, de acordo com suas necessidades. “A meta da Casa de Brincar é a inserção da família no contexto da vida da criança. Para isso, utilizamos a brincadeira como forma de alcançar ambas as partes”.

Este projeto foi iniciado em 2012, com apenas dez crianças / adolescentes, mas com o aumento da procura, em 2016 o número de famílias atendidas chegou a cinquenta e há, ainda, uma fila de espera de quarenta pessoas.