No segundo semestre de 2016, teve inicio na Casa de Brincar uma nova Oficina.

Quando nos encontramos em um momento delicado em nossas vidas é comum utilizar da zona de conforto para nos refugiarmos, por ser esta, a condição onde a pessoa possui certa sensação de segurança em meio às adversidades.
Mas, se tratando do Transtorno do Espectro Autista (TEA) o refúgio nunca será a opção.

Quando nos deparamos com o diagnóstico devemos agir imediatamente, arregaçar as mangas, guardar nossos anseios e ir ao trabalho, pois tempo perdido implicará em desenvolvimento comprometido, então nossa criança poderá nunca vir a ser o que poderia ter sido, necessitando de um acompanhamento imediato.

Essa mediação é realizada por uma equipe especializada e multidisciplinar que tem como método de operar a ludicidade, direcionando especificamente nas características apresentadas pelo TEA, com finalidade de impulsionar o crescimento. A Intervenção Precoce.

A intervenção deve ser iniciada a partir dos primeiros indícios, de modo que as manifestações iniciais do transtorno não comprometam o desenvolvimento da criança.

As atividades realizadas pela metodologia proposta agem nas sinapses neurais e devido a grande gama de estímulos, possibilitam que o cérebro se reorganize em consequência da plasticidade cerebral, ratificando o aprendizado.
Na abordagem, o terapeuta direciona as atividades de acordo com a anamnese realizada posteriormente onde é identificado as necessidades, tais como aprendizagem motora, linguagem e socialização partindo das particularidades, criando contextos que motivem as crianças a construírem suas habilidades sócios-educativas.

Para que haja êxito é necessária além da Intervenção Precoce outra metodologia que denominamos “Estimulação Familiar” que consiste em possibilitar que essa criança esteja sujeita ao maior número de estímulos possíveis de forma responsável, dado que a família encontra-se mais presente para esta criança que os profissionais.

Atividades que proporcionam a interação entre pais e filhos, os risos e os sorrisos nos possibilitam mensurar a conexão com o outro e expandir a construção da ponte entre os corações.